O que você vai ser quando crescer?

Não, eu não estou me referindo a sua profissão, se tratando de profissão eu, sinceramente, espero apenas que você faça a escolha certa e que seja muito feliz com sua escolha. Espero que faça com amor aquilo que decidir fazer. Esta pergunta se refere a que tipo de pessoa você vai ser, qual será o seu caráter, qual será o seu comportamento enquanto ser humano diante das mais diversas situações boas e ruins que, inevitavelmente, te ocorrerão.

Isso sim me importa muito.

O que você vai ser quando crescer  O que você vai ser quando crescer

Gostaria muito de deixar pra você um mundo melhor do que este que conhecemos, um mundo livre de guerras, de agressões, de falsidades, com mais tolerância e compreensão. Mas sei que que isso não é possível, sei que o mundo deve ser mudado de dentro pra fora, e entendendo isso quero deixar pra você formas de fazer com que você mesmo mude seu mundo, mude o seu mundo com a sua honestidade, com seu sorriso, com sua tolerância e com sua capacidade de compreender o ponto de vista diferentes do seu.

Quero deixar pra você mais que uma casa bonita, quero deixar a vontade de constituir e respeitar uma família.

Quero deixar muito mais que comida na mesa, quero deixar a disposição para provar e descobrir novos sabores.

O que você vai ser quando crescer

Quero poder deixar mais que cobertas e agasalhos que te protegerão do frio, quero te deixar a sensibilidade pra entender o valor do calor humano.

Quero deixar muito mais que sorrisos, quero deixar a alegria de viver e a satisfação em levar alegria por todos os lugares por onde passar.

O que você vai ser quando crescer

Quero deixar mais que lembranças, quero deixar o anseio de viver novas experiências a cada dia.

Enfim, quero deixar pra você muito mais que a habilidade de localizar-se, quero deixar pra você o ímpeto de descobrir e trilhar seu próprio caminho.

Não era bem o que eu queria ouvir

inventareA relação pai e filha que tenho com a Natália jamais foi ruim, sempre fomos próximos e ela é muito carinhosa, mas eu posso dizer que tem melhorado mais a cada dia que passa.

O humor dela não é, digamos assim, muito estável e por conta de episódios de um humor azedo que regularmente se apossa dessa pequena personalidade passamos a nos referir a ela, de forma carinhosa, como Natália limão. Embora eu prefira chamá-la de mousse de limão, pois ao mesmo tempo ela muito tão doce e equilibra o azedo do humor.

Há algum tempo, quando ela era ainda mais novinha, nossa relação era bem mais singela e eu sempre me resignei, mas sempre tentando aumentar a proximidade com ela e o investimento de tempo, amor e carinho sem intenção de retorno valeu muito a pena e tenho certeza que continuará valendo sempre.

E pais, não percam o crescimento e o desenvolvimento dos seus filhos, faça isso por eles e faça isso por você mesmo. Muito embora algumas vezes algumas reações inesperadas possam dizer o contrário, tenha certeza que cada filho nutre por seu pai uma admiração incomensurável.

Outro dia em uma de nossas brincadeiras eu disse a ela “Filha, eu te amo” e ela com toda sua delicadeza olhou pra mim e disse “A minha mãe também me ama”. Definitivamente não era bem o que eu queria ouvir, mas me deixou igualmente feliz.

O que você vai fazer com o tempo de vida que te resta?

Esta talvez não seja a forma mais adequada para trazer uma notícia tão impactante, mas achei que seria interessante, pois eu, embora não tenha levado isso com muita seriedade, sempre acreditei que todos devemos estar preparados pra morrer.

O que você vai fazer com o tempo de vida que te resta?

Estar preparado pra morrer implica em saber usar bem o tempo de vida, implica em respeitar as pessoas ao seu redor, dar atenção e carinho aos filhos e à esposa como se não fosse acordar no dia seguinte. Não guardar rancor, saber se colocar no lugar do outro, conseguir perdoar e, sobretudo, reconhecer a culpa. Implica em não deixar pra amanhã o que você tem condições de fazer hoje, ter o coração tranquilo, ser amável com amigos, familiares e com quem mais encontrar pela rua, buscar uma conduta reta e não sobrepujar ninguém.

Hoje me vejo nessa triste situação constatada e com tantos projetos inacabados, arrependido por não ter aproveitado melhor o tempo que tive, por ter adiado tanta coisa, por ter perdido tempo com coisas inúteis, por ter me preocupado tanto por tão pouco. Eu poderia ter tratado melhor as pessoas, deveria ter refletido mais antes de alguma ações impensadas, deveria ter me calado na hora certa, deveria ter falado no momento adequado. Mas o que passou não tem mais como consertar e preciso me concentrar no tempo que virá e seguir com retidão daqui até o final.

Não sou alguém que se preocupe muito com a saúde, que vá ao médico por qualquer tipo de sintoma, sempre achei que estivesse muito bem de saúde e não percebi o tempo passando e as pequenas falhas que essa incrível máquina humana apresenta com o passar dos dias.

Sempre vi esse horizonte de uma distância considerável e nem mesmo quando alguém próximo partiu eu consegui ter a noção correta do que seria perder a vida e deixar pra trás tanta coisa importante. Mas em algum momento é necessário acordar de toda essa ilusão e ver que o tempo é inexorável e não vai parar pra que você possa consertar coisas erradas que você fez, não haverá um tempo extra pra terminar aquele projeto que você tanto sonha e fica adiando, talvez não haja condições de procurar as pessoas pra dizer a elas o quanto foram importantes, pode ser que aquela brincadeira que o filho quis fazer e você adiou não possa mais ser feita, pode ser que aquele abraço não possa mais ser dado, pode não restar mais tempo para palavras que fariam tão bem pra alguém e que ainda não foram ditas e eu sinto muito pelo fato de ter parado pra pensar nisso somente agora.

O diagnóstico é cruel e eu sei que não tem retorno, é irremediável e o melhor que se há a fazer é aceitar e fazer de agora em diante tudo que estiver ao meu alcance pra recuperar o tempo que perdi com coisa pequenas e fazer valer o tempo de vida que me resta com ações que façam diferença na vida das pessoas e na minha vida também.

O fato é que descobri essa semana que não tenho mais muito tempo de vida, de repente eu vi aquele horizonte longínquo se aproximar rapidamente e aqui estou eu diante de algo que desconhecia e que causa um grande e horrível medo, a morte. Mas decidi que irei encarar essa situação com naturalidade e viver verdadeiramente cada segundo que me resta, pois muito embora exista um tempo já predefinido, isso pode vir a acontecer antes do previsto e não gostaria de ser pego de surpresa mais uma vez.

Estou com meu tempo de vida contado e por isso resolvi fazer essa publicação, pois acho que cada pessoa deveria pensar nisso e viver intensamente e estar preparado pra morrer todos os dias, sem a sensação de haver deixado algo por fazer.

De acordo com a estimativa de vida oficial para os brasileiros eu tenho apenas mais uns 35 anos de vida, pode ser que eu ultrapasse esse prazo, mas pode ser que esse tempo seja encurtado repentinamente e eu vou fazer de tudo pra utilizar bem esse tempo de vida que me resta.

E você, o que vai fazer com o tempo de vida que te resta?

Chove lá fora e aqui…

Aqui pelas bandas do sul do país a chuva não dá trégua. Chove tanto que não se faz mais precisão do tempo, agora se faz previsão de chuva para saber se vai chover muito ou pouco, mas para um dia de sol não há previsão. Brincadeira para dia com chuva

E enquanto isso as opções de distração vão acabando e a paciência dos pequenos vai indo junto. E aí vem o maior desafio, pois como é que podemos envolvê-las de alguma forma para aproveitar bem o tempo, criando momentos agradáveis pra todo mundo sem precisar gastar dinheiro e ainda administrando o tempo limitadíssimo entre uma tarefa aqui e um projeto ali.

Hoje quando o tédio deu sinal que ia se instalar por aqui, ligeiramente pegamos uma folha de papel, um lápis e duas crianças que não aguentavam mais ficar presos dentro de casa e abrimos a porta para a diversão com uma brincadeira muito simples.

É uma brincadeira antiga e muito conhecida, basta marcar pontos na folha usando o lápis formando um grande quadrado e cada um joga uma vez ligando os pontos e cada vez que alguém fecha um quadrado marca sua inicial dentro dele, no final é só contar quantos quadrados cada um tem e comemorar a vitória.

Brincadeira para dia com chuva

Neste caso o vencedor foi o Bernardo e olha que eu não facilitei. ;)

Tatuagem sensorial

Tatuagem sensorial é aquela atividade bacana, divertida e fácil, feita exclusivamente para aqueles dias que sua pilha já está no fim e seus filhos ainda estão com a corda toda! E para brincar disso você só vai precisar de uma caneta e pezinhos fofos.

tatuagem-sensorial-com-caneta---  tatuagem-sensorial-com-caneta-

Minha mãe já brincava disso comigo e hoje em dia eu vejo como uma brincadeira coringa para momentos de distração para acalmar os ânimos. E o melhor, sem sair do sofá.

Por aqui a gente brinca de fazer um desenho em baixo do pé, e a pessoa tem que descobrir o que é. Isso rende muitas risadas, pois causa cócegas. E rende boas tiradas, pois a criatividade das crianças é incrível.

tatuagem-sensorial-com-caneta

E você pode incrementar o jogo. Se seu filho já está em fase de alfabetização, você pode fazer letras, por exemplo. Ou ir dando dicas do desenho. Dá para inventar muita coisa a partir de um jogo tão simples como esse.

tatuagem-sensorial-com-caneta--

Normalmente a gente acumula tantas atividades que ao final do dia é muito comum não ter mais disposição para brincadeiras que envolvam bagunça, sujeira e afins. Mas os filhos estão ali, pedindo atenção e cheios de curiosidade para aprender. Uma brincadeira como essa pode ser uma fuga interessante para os conhecidos tablets e celulares. Além de criar memórias gostosas de carinho e atenção.

E o Papai Noel não existe mais

Ontem foi um dia especial para o Bernardo, pois ele cresceu um pouco mais e afastou-se mais um passo da infância em direção a adolescência.

E muito embora eu tenha sempre respeitado e me esforçado para manter o menino acreditando, minha opinião com relação a criar essa fantasia na vida dos filhos sempre foi controversa a opinião da maioria das pessoas.

cartão-de-natal

Além do fato de estarmos enganando eles descaradamente, ainda tem o agravante do incentivo ao consumismo, a distorção dos fatos, etc. Por aqui sempre buscamos trazer valores que somem pra vidinha deles e “tentamos” deixar de lado o consumismo, certamente que isso não é uma coisa fácil e nem sempre conseguimos. :(

E ontem no carro, enquanto voltávamos do mercado, ele lançou a pergunta derradeira: “Mãe, é verdade que papai noel não existe?”




Nos olhamos de canto de olho e acredito que nosso pensamento foi o mesmo: “E agora, José? Não nos preparamos pra isso…”

Eu não me atrevi a dar nenhuma resposta antes que a Diana se manifestasse, pois a pergunta foi direcionada a ela. E ela tentou romantizar a resposta dizendo que o Papai Noel existe no coração da gente e que existe essa magia, etc. Mas a réplica foi imediata e veio afiada, cortando fundo qualquer argumento evasivo.

Disse: “Não mãe, quem compra os presentes?”

E foi além, perguntou ainda como as pessoas muito pobres faziam, se ficavam sem presentes.

Diante das novas perguntas não sobrou alternativas a não ser dizer a verdade e confirmar o que ele deve ter ouvido na escola entre os amigos. E como era de se esperar a decepção tomou conta do coraçãozinho dele e caiu em lágrimas. Naquele momento eu imediatamente pensei em quanto eu estava certo e que com a Natália talvez isso fosse diferente.

Mas em seguida veio a minha lembrança o filme “Coisas que perdemos pelo caminho”, passei a refletir sozinho sobre o assunto e cheguei a conclusão que vou incentivar o Bernardo a manter essa fantasia para a Natália.

Creio que uma das mais gratificantes características humanas é estar aberto para absorver informações, processar e aprender, independentemente da fonte. E eu acredito que aprendi mais uma coisinha com meus filhos.

No transcorrer da vida nós perdemos muitas coisas pelo caminho e não há na história quem não tenha tido frustrações, decepções, amarguras, etc. E descobrir que papai não existe é só uma pequena amostra do potencial que a vida tem de nos apresentar situações frustrantes e isso nos faz mais fortes.

Continuo achando que o consumismo poderia ser muito menor do que é e que os valores humanos deveriam ser postos mais em evidência do que os presentes, mas daqui pra frente eu passo a encarar o bom velhino como uma leve preparação para as agruras da vida e uma contribuição para o crescimento.

Vamos brincar lá fora?

A ideia nesse post não é ensinar a fazer um brinquedo com material reciclável ou atividade manual educativa, mas tentar instigar as pessoas a brincar mais.

Neste nosso mundo atual, dinâmico e tão repleto de tecnologia é muito comum se deparar com comentários sobre como a infância era feliz há 10, 20 ou 30 anos atrás, sem celulares, tablets, acesso ultra rápido à internet, vídeo game, TV por assinatura, Youtube, etc.




Mas por aqui sempre acreditamos que o novo pode dividir o espaço com o antigo sem o menor dos traumas. Se muitas crianças de hoje não brincam com brinquedos simples e optam muito mais pelo XBOX que por uma partida de futebol no campinho ou por uma tarde toda correndo, rindo e se sujando, nós os adultos temos grande parte da responsabilidade.

Pois estamos sempre tão cheios de compromissos e com tantos projetos pessoais e profissionais que é mais fácil manter as crianças distraídas que reservar tempo para criar, brincar junto e divertir-se de verdade com eles.

Então desta vez resolvi não ensinar um passo-a-passo, mas incentivar os pais a dar um passo muito importante no convívio com seus filhos.

Saia de casa no domingo com a família e “esqueça” o celular em casa, construa um brinquedo, corra, canse, se suje, participe com eles nas brincadeiras como gostaria que seus pais tivessem brincado com você. Isso fará você se sentir melhor e irá gerar momentos que jamais serão esquecidos por eles.

Deixamos aqui uma ideia bem simples, fácil de fazer e que irá divertir os pequenos e os grandes que estiverem por perto: Perna de pau.

Brincando com perna de pau

Brincando com perna de pau

Brincando com perna de pau

Brincando com perna de pau




brincando-com-perna-de-pau-----

Brincando com perna de pau

Faça piões de papel para seu filho e volte um pouquinho no tempo

Há quem diga que as brincadeiras antigas estão esquecidas e que hoje as crianças só querem saber de internet, computador e vídeo game. Mas aí eu pergunto: Quais são as opções que damos a eles?

Experimente resgatar algumas brincadeiras e em volver seus filhos nelas, coisas simples e divertidas que que deixarão marcas na infância, a começar por sua participação nas brincadeiras deles.

Que tal fazer um brinquedo clássico e que diverte muito? É bem simples para fazer, usa pouco material e não exige nada de técnica. Estamos falando dos velhos piões, e podemos fazer alguns ótimos usando apenas cartolina, cola branca e palitos de churrasco.

como-fazer-um-piao-de-papel----

  • Corte 6 tiras de cartolina com aproximadamente 1 cm de largura (opte por cores diferentes para ficar mais atrativo);

como-fazer-um-piao-de-papel---

  • Corte o palito de churrasco com cerca de 6 a 7 cm mantendo a parte com a ponta;
  • Passe cola branca em uma tira de cartolina e cole ao redor do palito começando bem próximo a ponta;
  • Vá enrolando a cartolina no palito e a cada volta suba um pouquinho a cartolina;

como-fazer-um-piao-de-papel--

  • Faça o mesmo com todas as tiras, sempre subindo um pouquinho a cada volta. A cartolina irá tomando a forma de um cone;

Como fazer um pião de papel

  • Quando colar a última tira, basta esperar secar bem e começar a brincadeira.

Fazendo dois ou mais a brincadeira fica mais divertida fazendo competição para ver qual pião fica mais tempo girando!

Sempre que possível reserve um tempo do seu dia para criar coisas com seus filhos e deixe a eles lembranças de uma infância feliz e divertida.

Bernardo e a pequena caixa de memórias

Tá certo que dos 7 anos até a minha idade atual existe um GRANDE espaço de tempo, mas as memórias que guardo da minha infância são muito vagas, um pouco é pela deficiência que tenho em manter as lembranças vívidas por muito tempo, mas também dado as condições da época, os artifícios que poderiam avivar a memória são muito escassos, poucas fotos, nenhum objeto guardado e ainda o distanciamento do local origem.

Pensando nas minhas poucas lembranças e no anseio de colaborar para que meus filhos possam manter mais intensas suas lembranças, resolvi fazer uma caixa de memórias para o Bernardo.

Pegamos uma caixa de papelão simples e colocamos ali coisas com as quais ele sempre teve mais apego e outras que são marcas que estarão sempre presentes na vida dele, como a foto com os amigos no primeiro ano, o primeiro sapatinho, medalha, boletim do primeiro ano, enfeite de porta da maternidade feita a mão pelo pai, cheirinho bordado pela mãe, primeiro caderno, primeiro livro e outras coisas mais.

Quando a Natália atingir os seus 7 anos de idade faremos uma pra ela também.

Fazendo uma caixa de memórias




O interesse dele por essa caixa hoje não é dos mais empolgantes, mas como está se encaminhando para os 8 anos de idade já começa a apresentar nuances de adolescência e sabemos que quando ele atingir essa etapa o normal é que vá para um “intracâmbio” e fique alheio aos assuntos familiares por um bom tempo.

Mas é normal também que depois desse período necessário de introspecção, no qual acontecem inúmeras descobertas sobre o mundo e sobre si mesmo, ele volte a se interessar pela família novamente e depois como adulto pode ser muito importante uma caixa com lembranças que facilitem sua reentrada em nossa órbita.

Fazendo uma caixa de memórias

Hoje eu acho que está sendo uma boa ideia, mas conversamos novamente dentro de uns 10 ou 12 anos pra ver o resultado ;)

Criando fantoches com grampos para pendurar roupa

Incentivar as crianças a criar seus próprios brinquedos é algo que, além de despertar a criatividade, desenvolve muitas habilidades. Sempre que possível dispomos do nosso tempo para preparar algo diferente com eles e mesmo quando buscamos na internet ideias que já foram testadas, tentamos deixar o passo a passo de lado e fazer ao nosso modo, criando coisas diferentes, testando outras possibilidades.

E hoje vamos fazer fantoches usando aqueles grampos de pendurar roupas feitos de madeira. E nem precisamos desfalcar a lavanderia, pois um pacotinho com 12 unidades custa pouco mais de R$ 1,00 e o resto são materiais que temos em casa. Nós usamos canetinhas, EVA nas cores branca e preta e colamos com cola quente, mas se você não tiver esses materiais em casa pode usar papel e colar com cola branca mesmo.

Fantoches de grampo de roupa

A ideia é muito simples e com um pouco de criatividade é possível criar os mais diversos tipos de fantoches. Aproveitando a particularidade de abrir de fechar do grampo para dar um efeito de movimento.

Recorte o EVA no formato do fantoche escolhido separando-o em duas partes, pinte com canetinha para fazer os detalhes e em seguida cole um pedaço em cada lado do grampo e ao abri-lo acontece o efeito.

Fantoche de grampo de roupas

Escolha qual fantoche quer fazer e em menos de 5 minutos terá um brinquedo que divertirá por horas. Aproveite a oportunidade e deixe os que pequenos usem sua criatividade criando coisas que eles gostam e permita que participem da confecção.

Fantoches de grampos de roupa

montagem

Este post foi publicado originalmente na Revista Educar – Edição Junho 2015.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...